segunda-feira, 29 de junho de 2015

Cantor afirma que filho foi algemado e agredido no rosto por PM

Cantor se manifestou através de publicação nas redes sociais. BPTran nega agressão e diz Corregedoria da PM irá apurar os fatos.

Do G1 AL

Cantor publicou uma foto nas redes sociais, mostrando o braço do filho marcado pelas algemas (Foto: Reprodução/Facebook)

O cantor alagoano Geraldo Cardoso se manifestou através das redes sociais sobre o cancelamento do seu show, que seria realizado na última sexta-feira (26), após o filho dele ser detido por desacato a autoridade.

Na publicação, o cantor relata que o filho foi agredido no rosto pelo capitão do Batalhão de Polícia de Trânsito (BPTran), identificado como Daniel Simões Coutinho. Cardoso afirma ainda que o carro estava em uma área restrita para artistas e organizadores do São João Central, no Jaraguá, e que por estar atrasado, pediu para o filho estacionar o veículo que estava sobre o passeio público.

O capitão Felipe, sub-comandante do BPTran, informou ao G1 que a Corregedoria da Polícia Militar irá apurar e esclarecer os fatos, para que a verdade seja descoberta, mas nega que o militar do BPTran tenha agredido ao adolescente de 16 anos.

"É natural que o pai queira defender o filho, mas é necessário apurar os fatos. Os militares que estavam na guarnição informaram que o adolescente chegou conduzindo o carro, em alta velocidade, e que tratou a guarnição com arrogância, proferindo palavras de baixo calão", afirma o capitão.

Na publicação, o cantor diz que, "logo em seguida, pedi ao meu filho que voltasse e fizesse a manobra para tentar estacionar o veículo em um espaço adequado, repito, dentro da área reservada aos artistas e demais pessoas envolvidas no evento. E assim ele o fez. Mas quando já estava voltando a pé, já perto da entrada de acesso que leva aos camarins, meu filho foi abordado pelo Capitão PM Daniel Simões Coutinho, do Bptran”.

Filho de Geraldo Cardoso estava com carro
estacionado irregularmente
(Foto: Divulgação/Sedres)

Ainda de acordo com o cantor, o policial agiu em atitude tendenciosa ao pedir o documento do veículo e a habilitação do adolescente, que informou que não tinha habilitação por ter menos de 18 anos, mas que a documentação estava dentro do carro.

Ele afirma ainda que o filho pediu aos policiais para que o chamassem, para esclarecer a situação. e teve o pedido negado

“Em mais uma conduta duvidosa, o oficial não só negou o pedido, como também arrastou o meu filho para a viatura. Nervoso com o absurdo que estava acontecendo, meu filho tentou se desvencilhar e acabou sendo agredido covardemente pelo Capitão Daniel Simões Coutinho, com uma tapa no rosto”.

“Não satisfeito, o Militar voltou a agredir meu filho quando ele quis visualizar sua identificação no uniforme. Em mais um ato de completo despreparo, o Capitão Coutinho simplesmente arrancou a tarjeta de identificação e esfregou no rosto do menino gritando que o nome dele era Coutinho”, desabafa o cantor Geraldo Cardoso.

A publicação relata ainda que o adolescente foi algemado e posto dentro da viatura, onde permaneceu por mais de uma hora, e que apesar dos esforços de Cardoso, o seu carro foi guinchado e ele teve que acompanhar o filho até a delegacia.

“Precisava acompanhar meu filho e também não tinha mais condições emocionais de levar alegria com a minha música, quem é pai pode imaginar o quanto é doloroso ver seu filho sendo tratado, injustamente, como um marginal e não poder fazer nada”, explica o cantor.

Geraldo Cardoso finaliza o texto pedindo desculpas aos fãs e relata ainda que vai tomar todas as medidas cabíveis para que o caso não fique impune, pois o filho dele irá precisar de acompanhamento psicológico, pois está traumatizado e chorando o tempo todo.

Postar um comentário