terça-feira, 28 de julho de 2015

Estado quer repassar obra de triplicação da BR-232 para o governo federal

(Foto: Marcio Souza / A Voz da Vitória).

Folha PE

A responsabilidade pelo fim de um dos gargalos de acesso à Itaipava Arena Pernambuco deve ser repassada para o Governo Federal. O antigo projeto de triplicação da BR-232 no trecho Km 4,7, no viaduto da Abdias de Carvalho até o Km 11,50, na bifurcação com a BR-408 pode ser incluído no pacote de rodovias previsto no Programa de Investimentos em Logística (PIL). A sugestão de acrescentar o segmento no programa de concessão será levada pelo governador Paulo Câmara ao ministro dos Transportes, Antonio Carlos Rodrigues.

Em 2011, a Secretaria de Transportes, por meio do Departamento de Estradas de Rodagem (DER), deu início ao processo de licitação para contratar os projetos básico e executivo da triplicação do trecho de 6,8 quilômetros da BR-232. A obra faria parte das ações programadas pelo Governo de Pernambuco para melhoria da mobilidade até a Copa do Mundo em 2014. Entre as intervenções, estavam previstas a implantação de novas faixas de tráfego e de vias locais, além da restauração de pavimentos e drenagem.

“Já está no programa de concessões do Governo Federal o arco metropolitano, a BR-101 e a duplicação da BR-232, vamos propor que a empresa que ganhar a licitação também possa triplicar esse trecho crítico da 232. Achamos mais racional, já que a gestão da rodovia só estará delegada ao Estado por mais 12 anos”, justificou o vice-governador, Raul Henry.

As obras rodoviárias para Pernambuco previstas no PIL estão orçadas em R$ 4,2 bilhões. A cifra será maior se o Planalto aceitar incluir a triplicação do trecho da BR-232. No entanto, esse valor é desconhecido. “Nós do governo chegamos a iniciar os estudos, mas com o lançamento do programa entendemos que seria melhor pedir a inclusão para que a empresa ou consórcio que vencer a licitação possa tocar o projeto”, afirmou Henry.

O professor de engenharia civil das universidades Católica de Pernambuco (Unicap) e Federal de Pernambuco (UFPE), Maurício Pina considera a triplicação da BR-232 indispensável. “É um trecho onda há um intenso tráfego urbano diariamente, além de ser um acesso importante não só a arena, mas ao interior. Essa intervenção é essencial para a mobilidade daquela região”, reforçou o docente.

Concorrência

Este mês, o Ministério dos Transportes divulgou que 24 empresas atenderam o chamamento público e já manifestaram interesse nas concessões das rodovias pernambucanas. As coporações, que não tiveram os nomes revelados – aguardam a autorização do ministério para começarem a fazer seus estudos de viabilidade das estradas. O modelo prevê que as vias sejam pedagiadas para garantir o retorno do investimento privado.

Ressarcimento

Caso os estudos selecionados sejam utilizados nas licitações, as empresas serão reembolsadas. O valor não poderá ultrapassar 2,5% do valor do investimento estimado ou R$ 7,7 milhões, o que for menor.

Postar um comentário