quarta-feira, 29 de julho de 2015

Projeto proíbe outdoors e cartazes com apelos sexuais para a promoção de shows no Estado

Petebista Augusto César propõe o veto a peças publicitárias que explorem mulher e homem como atrações sexuais para divulgação de eventos

João Bita/Alepe

Ayrton Maciel

JC Online

A exibição de outdoor, cartazes e qualquer material publicitário assemelhado que contenham apelo erótico - implícito ou explícito -, expondo a pessoa como objeto ou atração sexual de qualquer evento pode passar a ser proibida em Pernambuco. 

Proposta na Assembleia determina a proibição de exposição de peças publicitárias que tratem a mulher ou o homem como objeto sexual, para a promoção de shows e espetáculos públicos ou privados.

De acordo com o projeto de lei, a empresa ou casa de shows que, na divulgação de suas atrações, utilize "a imagem da pessoa humana, mesmo que com a autorização das modelos", terá de se restringir a colocar fotos ou figuras que "não utilizem o apelo sexual explícito ou implícito".

Proposto pelo deputado e primeiro secretário da mesa da Alepe, Augusto César (PTB), a publicidade deve evitar a "exibição de homens e mulheres com a exposição de quaisquer partes íntimas do seu corpo", mecanismo que será caracterizado como "atrações eróticas ou sexuais".

Na justificativa da proposta, o deputado define que a produção de imagens para divulgação de eventos, em especial de mulheres, mesmo que consentidas, deverão "primar pelo cuidado da não vulgarização do sexo feminino" a não exposição da mulher como "objeto sexual, serviço ou produto à venda".

O petebista alega que há uma ampla divulgação "sem critérios" de "shows eróticos", no Estado, o que estaria criando "uma apelação de forte conotação sexual, que estimula indiretamente a exploração sexual da mulher, o turismo sexual e a prostituição, e ainda, um precoce despertar sexual infantil".

Descartando a conotação de "renascimento da censura", o deputado Augusto César (PTB) diz que quer apenas estabelecer normas que contribuam para a erradicação de problemas como a exploração sexual da mulher, o turismo sexual e a prostituição infantil, o machismo medieval e, ainda, o precoce despertar sexual infantil".

Postar um comentário