quinta-feira, 27 de agosto de 2015

Aos 63 anos, morre no Recife o professor Tomaz Maciel

Natural de Pesqueira, professor não resistiu às complicações de uma cirurgia

Do JC Online

O professor faleceu após complicações pós-transplante cardíaco
Reprodução Facebook

O professor Tomaz Maciel, 63 anos, que ensinava literatura brasileira em várias escolas e cursinhos do Recife e de Pesqueira, no interior de Pernambuco, faleceu na madrugada desta quarta-feira (26), por complicações após ser submetido a um transplante cardíaco. O corpo do professor Tomaz foi velado e cremado no Cemitério Morada da Paz, em Paulista, no final da tarde desta quarta.

Nascido em Pesqueira, o professor teve que parar de dar aulas, atividade que realizava com maestria, como muitos alunos comentaram em seu perfil no Facebook, devido a problemas cardíacos.

No Facebook, o irmão do professor, Tácio Maciel lamentou a morte. "Eu que sei pouco da vida, hoje tenho que falar de morte. E morte de uma pessoa que foi prioridade na vida de muita gente. Tomaz teve que ir. Eram duas horas. De vinte e cinco de agosto. Ele nos deixou órfãos. Muito tristes. Seguramos como podemos e ele fez tudo pra ficar. Mas, teve que partir. Agora, vamos nos esforçar pra suportar a ausência e lidar com a saudade. Obrigado por todas as orações e pensamentos positivos. Ajudaram e ajudam muito", disse.

A escritora Adriana Falcão, cunhada do professor, também compartilhou um comentário na rede social. "Tomaz Maciel me ensinou a escrever. Meu grande mestre, meu grande amigo, meu poeta, meu cunhado, meu amado. Vai morar aqui no meu coração até quando eu for daqui pra lá, e me encontrar com ele de novo. Assim que essa tristeza passar, eu encontro o lugar mais alegre do meu coração pra Tomaz morar", escreveu. 

Muitas alunos e amigos também deixaram mensagens. A estudante de Letras da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) Cibelle Alves falou sobre a inspiração que o professor foi em sua vida. "Ele se tornou a minha inspiração de profissional e ser humano. Com ele eu tive a certeza que queria fazer o curso de Letras. As aulas dele eram inexplicavelmente maravilhosas. Era mais que uma aula, era um ensinamento de vida. A Literatura e as letras passaram a ter um significado diferente. Eu sou muito grata a ele pela minha formação. Fiquei muito triste quando recebi a notícia", disse.

O professor brincava com seus alunos, dizendo que quando morresse gostaria de ser lembrado com o texto de Vinicius de Moraes, Se Eu Morrer Antes de Você. 

SE EU MORRER ANTES DE VOCÊ

Se eu morrer antes de você, faça-me um favor:

Chore o quanto quiser, mas não brigue com Deus.

Se não quiser chorar, não chore;

Se não conseguir chorar, não se preocupe;

Se tiver vontade de rir, ria;

Se alguns amigos contarem algum fato a meu respeito, ouça e acrescente sua versão;

Se me elogiarem demais, corrija o exagero.

Se me criticarem demais, defenda-me;

Se me quiserem fazer um santo, só porque morri, mostre que eu tinha um pouco de santo, mas estava longe de ser o santo que me pintam;

Se me quiserem fazer um demônio, mostre que eu talvez tivesse um pouco de demônio, mas que a vida inteira eu tentei ser bom e amigo...

E se tiver vontade de escrever alguma coisa sobre mim, diga apenas uma frase: -"Foi meu amigo, acreditou em mim e sempre me quis por perto!"

Aí, então derrame uma lágrima.

Eu não estarei presente para enxugá-la, mas não faz mal.

Outros amigos farão isso no meu lugar.

Gostaria de dizer para você que viva como quem sabe que vai morrer um dia, e que morra como quem soube viver direito.

Amizade só faz sentido se traz o céu para mais perto da gente, e se inaugura aqui mesmo o seu começo.

Mas, se eu morrer antes de você, acho que não vou estranhar o céu.

"Ser seu amigo, já é um pedaço dele..." 

Vinicius de Moraes

Postar um comentário