terça-feira, 25 de agosto de 2015

Mais acusações contra Pedro Corrêa

Delatores confirmam pagamentos ao ex-deputado Pedro Corrêa, preso na Lava Jato

Corrêa foi condenado na Ação Penal 470, o processo do mensalão, e cumpria prisão em regime aberto antes de ser preso 
Foto: Agência Brasil

Da Agência Brasil

Um dos delatores da Operação Lava Jato, Rafael Ângulo Lopez, confirmou nessa segunda-feira (24) ao juiz federal Sérgio Moro que fez pagamentos em dinheiro ao ex-deputado federal Pedro Corrêa, que está preso em Curitiba. Outro delator, o doleiro Alberto Youssef, confirmou que, além disso, doou a Corrêa R$ 7 milhões para a campanha do ex-parlamentar à Câmara dos Deputados em 2010.

Corrêa foi condenado na Ação Penal 470, o processo do mensalão, e cumpria prisão em regime aberto antes de ser preso. No depoimento, Lopez disse que viajava com dinheiro preso ao corpo para entregá-lo a pessoas indicadas pelo doleiro Alberto Youssef, para quem ele trabalhava. O doleiro é um dos operadores financeiros do esquema de corrupção na Petrobras. No depoimento, o delator também relatou pagamentos para Aline e Fábio Correa, filhos do ex-parlamentar.

Lopez, que assinou acordo de delação premiada com a força-tarefa do Ministério Público Federal (MPF), disse que entregou dinheiro pessoalmente a Corrêa. Os pagamentos ocorreram na residência dele, no Recife, no apartamento funcional, em Brasília, e no escritório de Youssef. Segundo o delator, os pagamentos eram feitos uma ou duas vezes por mês e variavam entre R$ 150 mil e R$ 200 mil, somando valores que eram destinados ao ex-parlamentar e a terceiros, indicados por ele.

Em uma planilha entregue aos investigadores, o delator disse que identificava os pagamentos feitos com os dizeres "BAND" e as iniciais do recebedor. Segundo ele, "BAND" significava bandidos, e era utilizado para se referir a pagamentos para políticos. Em outro depoimento, prestado nesta segunda-feira ao juiz Sérgio Moro, o doleiro Alberto Youssef, disse que os pagamentos ao ex-deputado ocorreram mesmo após a condenação no STF. O doleiro também afirmou que doou R$ 7 milhões para a campanha política de Corrêa à Câmara dos Deputados em 2010.

A defesa do ex-deputado informou que só vai se pronunciar nos autos. O juiz Sérgio Moro marcou para a próxima quarta-feira (26) audiência presencial para que Corrêa possa se defender das acusações.

Postar um comentário