quinta-feira, 13 de agosto de 2015

Ministros do STF elevam salários para R$ 39 mil e dão reajuste a servidores

FolhaPress


Os ministros do Supremo Tribunal Federal aprovaram nesta quarta (12) aumento de 16,38% em seus próprios salários, elevando os vencimentos para R$ 39,2 mil a partir de janeiro de 2016.

Em uma reunião administrativa, os ministros também aprovaram reajuste de 41,47% para os servidores do Judiciário. Não foi divulgada o número de parcelas do aumento, mas as conversas com a equipe econômica indicavam o pagamento em quatro anos.

Agora, os projetos com os valores serão enviados ao Congresso, que é responsável pela elaboração Orçamento de 2016. O Supremo ainda não informou o impacto das propostas.

Um eventual aumento poderá produzir um efeito cascata no Judiciário, uma vez que o salário dos ministros do Supremo é o teto do funcionalismo público, servido de base para os subsídios de ministros de outros tribunais superiores, juízes e desembargadores, de membros de tribunais de contas, além de corte para vencimentos de servidores.

O reajuste no vencimento básico dos servidores é de 12% e as gratificações passaram de 90% para 140% do salário. O Judiciário da União conta com 140 mil servidores.

A proposta é uma alternativa costurada entre o Supremo e o Planejamento após o veto dapresidente Dilma Rousseff ao projeto aprovado pelo Senado que fixava um reajuste de 56,4% a 78,6%, com impacto de R$ 25,7 bilhões para os próximos quatro anos.

ALGAZARRA

O presidente do STF, Ricardo Lewandowski, minimizou o efeito cascata do reajuste do salário dos ministros e destacou com os números levam em consideração o cenário de crise econômica. Segundo ele, os índices representam 70% da proposta original discutida com o governo. “Não há efeito automático”, afirmou.

O ministro Gilmar Mendes defendeu mudanças na lei do teto do funcionalismo, afirmando que há algazarra para garantir vinculações.

“Estão usando o teto do Supremo como referência para ser superado, como pretexto apenas”, disse.
Postar um comentário