terça-feira, 18 de agosto de 2015

Ponte do Janga em estado de calamidade

Piso esburacado, rachaduras nas colunas de sustentação e ferragenas à mostra são alguns dos problemas no equipamento

Foto:Jedson Nobre/Folha de Pernambuco

Marcílio Albuquerque

Folha-PE

A principal ligação entre as cidades de Olinda e Paulista está em colapso. Na ponte do Janga, por onde circulam cerca de 80 mil veículos diariamente, os problemas vão além do trânsito caótico, gerando uma ameaça para motoristas e pedestres. O projeto de reforma, orçado em R$ 16 milhões, não tem data estabelecida para sair do papel. A estrutura, na PE-01, está sem trechos da mureta, que deveria servir de proteção. O piso segue avariado de uma ponta a outra, marcado por buracos no concreto. As ameaças também podem ser encontradas na parte inferior, onde ferragens à mostra e rachaduras nas colunas de sustentação acendem o alerta para medidas urgentes.

“Quando passamos por aqui, a sensação é que tudo pode cair a qualquer momento”, revela o líder de produção Gumercindo Garcia, 26 anos. Ele conta que os moradores formaram grupos, por meio das redes sociais, com o propósito de reunir fotos e narrar os problemas encontrados diariamente na ponte. “Durante muito tempo, apenas paliativos foram feitos e a situação foi piorando”, reconhece.

A professora Eliane Souto, 47, também precisa da rota para se locomover e lembra que vários movimentos já sinalizaram a insatisfação. “Fizemos protestos, fechamos o tráfego e enviamos ofícios ao poder público. Não obtivemos qualquer resposta”, critica.

Para o secretário-executivo de Infraestrutura de Paulista, Ricardo Góes, a demora é fruto de processos burocráticos. “Precisamos aguardar prazos de liberação de convênios, licitação e contratação das empresas que devem executar as obras”, explicou. Conforme o gestor há uma parceria firmada pelo município. Mas a jurisdição da rodovia compete ao Estado. “Atualizamos recentemente o projeto, que já havia sido apresentado em 2003. Só nos resta aguardar a análise”, lembrou.

O Departamento de Estradas de Rodagens (DER) alega que só pode iniciar serviços de manutenção após o término do período chuvoso. A promessa é de que uma equipe vai avaliar a situação nos próximos dias. Conforme a Secretaria de Planejamento e Gestão (Seplag), a fase atual é de análise da documentação. O montante de investimentos terá contrapartida de R$ 1,6 milhão da Prefeitura e os serviços devem se estender por um ano e quatro meses.

Trânsito

Considerada ponto de estrangulamento no trânsito, desde as primeiras horas da manhã, a PE-01, mais conhecida como avenida Cláudio Gueiros Leite, comporta cerca de 30 linhas de ônibus. No início deste ano, a Prefeitura apresentou um projeto de duplicação.

A proposta inicial contemplava todos os 14 km de extensão da via. Mas, segundo estudos da equipe técnica, o serviço fracionado seria mais viável. O trecho de 4 km, compreendido entre a ponte e a entrada do Conjunto Beira Mar, é considerado prioritário, sendo responsável pela maior fatia dos congestionamentos. Até então, nada teve início.

“Passamos a conviver com uma realidade de atrasos em qualquer compromisso. A qualquer momento, tudo fica travado”, diz a psicóloga Simone Lopes, 25. A requalificação prevê, ainda a construção de uma nova ponte, a restauração da ponte existente, a restauração da pista, além da instalação de sinalização horizontal e o remanejamento de rede elétrica.

Postar um comentário