quinta-feira, 13 de agosto de 2015

Ricardo Costa denuncia manobra na convenção do PMDB em Olinda


Ricardo Costa afirma não ter acesso à chapa que disputará a convenção de domingo (Foto: Clemilson Campos/Folha de Pernambuco)

Blog da Folha

A 14 meses das eleições do próximo ano, a situação interna do PMDB de Olinda azedou entre os dois principais grupos da sigla na cidade, comandados pela ex-prefeita e presidente municipal da legenda, Jacilda Urquisa, e pelo deputado estadual Ricardo Costa. O vencedor da disputa leva como prêmio a candidatura pelo partido à Prefeitura de Olinda.

Com a preferência declarada da cúpula estadual da sigla, leia-se o vice-governador e presidente do partido, Raul Henry, e o deputado federal Jarbas Vasconcelos, Costa esperava assumir o comando do PMDB em Olinda depois de 30 de agosto, quando todos os diretórios que não tivessem realizado convenção seriam destituídos. Acontece que o grupo de Jacilda se antecipou e marcou a convenção para este domingo (16). Vendo a possibilidade de assumir a legenda definhando, o deputado peemedebista resolveu denunciar o processo que envolve a reunião do fim de semana.

Em nota divulgada no início da noite desta quarta-feira (12), Ricardo Costa diz ter sido “surpreendido ao ser excluído do processo de sucessão partidária”. Alega que não foi ouvido para a composição de chapa da executiva e que foi excluído de integrar o diretório, colegiado com maior número de filiados.

“Fui pessoalmente à sede do Diretório de Olinda e lá foi-me negado o direito de tomar conhecimento dos integrantes da chapa – atitude absurda e indefensável, pois contraria todos os princípios da democracia partidária no que diz respeito à transparência do processo eleitoral, exigência legal e da sociedade”, atacou, na nota, o parlamentar, que, nas eleições do ano passado, fez dobradinha com Jarbas no município, enquanto que a sua rival na legenda, Izabel Urquisa, fez parceria com o socialista Felipe Carreras, por isso conquistou a preferência do comando estadual.

Ainda na nota, o deputado alega descumprimento de prazos e diz não entender a razão de a chapa “estar escondida e guardada a sete chaves”. E os ataques não cessam. Costa acusa o grupo que comanda o PMDB olindense de tratar a sigla como “propriedade familiar”.

“Vou oficiar a Executiva Estadual do PMDB, dando ciência das arbitrariedades que estão ocorrendo aqui em Olinda”, encerra a nota.

Ou seja, a participação do PMDB nas eleições do próximo ano vai muito além das urnas do Tribunal Regional Eleitoral, e deve render ainda alguns capítulos.

Leia a íntegra da nota do deputado Ricardo Costa:

Considerações sobre o processo sucessório do PMDB de Olinda:

1. Sou o único deputado estadual do PMDB em Olinda, líder da bancada na Assembleia Legislativa de Pernambuco e, como tal, tenho direito a voz nas reuniões da Executiva Municipal. Fui surpreendido ao ser excluído do processo da sucessão partidária, pois deveria ser ouvido na composição da chapa e, inclusive, integrar o diretório.

2. Fui pessoalmente à sede do Diretório de Olinda e lá foi-me negado o direito de tomar conhecimento dos integrantes da chapa – atitude absurda e indefensável, pois contraria todos os princípios da democracia partidária no que diz respeito à transparência do processo eleitoral, exigência legal e da sociedade. A não apresentação da chapa levanta dúvidas sobre a lisura do referido processo. Dá a impressão de que há algo a ser escondido. Não se sabe, inclusive, se realmente existe uma chapa inscrita.

3. A decisão sobre o registro da chapa, segundo o estatuto, deveria ter saído na segunda-feira, dia 10 de agosto. Não se sabe sequer se houve essa reunião. Quais as razões para essa chapa estar escondida e guardada a sete chaves? Quais as razões para se realizar uma reunião “secreta”, se é que de fato ocorreu?

4. O que se observa é que se pretende tratar o PMDB de Olinda como propriedade familiar. Não houve qualquer consideração à nova realidade do partido em Pernambuco, que está em um processo de renovação, ampliação e fortalecimento. Na formação do Diretório Estadual, por exemplo, todas as forças vivas do partido foram contempladas: seu deputado federal, seus deputados estaduais, seus vereadores, prefeitos, como o de Petrolina, além de lideranças históricas do partido, inclusive a atual presidente do Diretório Municipal de Olinda.

5. Vou oficiar a Executiva Estadual do PMDB, dando ciência das arbitrariedades que estão ocorrendo aqui em Olinda.

Ricardo Costa
Deputado Estadual pelo PMDB
Postar um comentário