quarta-feira, 16 de setembro de 2015

Boa Nova - Usina Cruangi volta a moer e gera quatro mil empregos na Mata Norte

A usina vai moer na primeira safra cerca de 500 mil toneladas de cana-de-açúcar, que virá das cidades de Vicência, Bueno Aires, Nazaré, Aliança, Condado, Goiana, Macaparana, Itambé, Ferreiros e parte de Carpina. Fotos: Roberto Pereira/SEI

O empreendimento, que será administrado por uma cooperativa de produtores, vai moer 500 toneladas de cana-de-açúcar por safra

Após quatro anos inativa, a Usina Cruangi, em Timbaúba, na Mata Norte de PE, retomou as atividades nesta terça-feira (15), com a previsão de geração de quatro mil empregos diretos e de beneficiamento de 500 mil toneladas de cana-de-açúcar na próxima safra. O Governador Paulo Câmara e o secretário de Agricultura e Reforma Agrária, Nilton Mota, acompanhados de parlamentares e representantes do setor, participaram da solenidade de reabertura da unidade, que será comandada pela Cooperativa da Associação dos Fornecedores de Cana de Pernambuco -COAF.

A reativação da Cruangi e da Pumaty, em Joaquim Nabuco, na Mata Sul, sob o comando de pequenos e médios fornecedores tornou-se realidade com o apoio do Governo de Pernambuco que reduziu em 50% a carga tributária nas operações com Álcool Etílico Hidratado Combustível (AEHC),  para usinas em recuperação judicial inativas há mais de um ano e que estejam arrendadas as cooperativas de produtores de cana-de-açúcar.

O governador Paulo Câmara ressaltou que o mecanismo de incentivo fiscal e o cooperativismo vão facilitar a reabertura de outras usinas, impulsionando a economia canavieira do Estado. “Hoje tivemos a oportunidade de dar continuidade a esse trabalho, que é o sonho de muita gente. Sonho que foi construído junto. E um sonho, quando é construído junto, já dizia Dom Hélder, acontece. Doutor Arraes fez o que vocês já sabem em relação ao homem do campo. Eduardo herdou isso, e eu não posso ser diferente dessa escola que quer o bem de Pernambuco”, enfatizou Câmara.

Pernambuco é o segundo maior produtor de cana do Nordeste com uma produção estimada em 22 milhões de toneladas/ano. Já contabilizou 42 usinas em operação e, hoje, apenas 15 estão em atividade. “Este ato mostra o compromisso deste Governo em juntar as pessoas que querem o bem de Pernambuco e que fazem as coisas darem certo.  No Sudeste, uma  região mais próspera, cerca de 80 usinas foram fechadas. No entanto aqui, estamos fazendo a diferença e vamos mostrar para o País que na adversidade a gente transforma dificuldades em oportunidades”, explicou o Secretário de Agricultura e Reforma Agrária Nilton Mota.

Para o fiscal geral de moagem, Francisco de Assis Pereira, a retomada das atividades da usina significou mais uma “porta aberta para ele e sua família”. “Esse foi um presente de Deus. Antes de trabalhar aqui eu estava desempregado. Foram três anos sem trabalho. Agora, estou aqui junto com muitos pais de família”, celebrou o trabalhador, contando que o seu último emprego foi na Usina Santa Tereza, em Goiana.

Para o presidente da Coaf, Alexandre Andrade Lima,  reativar a usina Cruangi é a realização de um sonho. “A retomada das atividades deu uma sobrevida a indústria sucroalcooleira no Estado, pois antes a cana estava indo para a Paraíba, e os impostos estavam sendo recolhidos lá. Com a reativação vamos gerar riquezas na nossa terra. Só tenho que agradecer ao secretário Nilton Mota e ao Governador pelo apoio que nos foi dado”, declarou Lima, esclarecendo que a Cruangi vai moer a cana fornecida pelos produtores dos municípios de Vicência, Buenos Aires, Nazaré da Mata, Aliança, Condado, Goiana, Macaparana, Timbaúba, Itambé, Ferreiros e parte de Carpina.

COOPERATIVISMO - A modernização do maquinário ocorreu por meio da Cooperativa da Associação dos Fornecedores de Cana de Pernambuco (COAF), que assumiu a produção e investiu R$ 3 milhões no empreendimento. De imediato, a Cruangi vai produzir Etanol, mas não está descartada a fabricação de açúcar e outros derivados da cana.

com informações da Assessoria

Postar um comentário