quinta-feira, 3 de setembro de 2015

Oposição volta a cobrar ação para combater violência crescente em Pernambuco


Deputado Álvaro Porto chegou a pedir a saída do secretário de Defesa Social, Alessandro Carvalho (Foto: Roberto Soares - Alepe)

A Bancada de Oposição na Assembleia Legislativa de Pernambuco voltou a levar ao Plenário da Casa a preocupação com a escalada da violência em Pernambuco. Segundo dados disponíveis no site da Secretaria de Defesa Social do Estado, em agosto, até o último domingo (30), foram registrados 315 homicídios em Pernambuco – 26% a mais que no mesmo mês do ano passado, quando foram contabilizadas 250 mortes. No ano, entre janeiro e agosto (até o dia 30), foram 2.475 assassinatos, o que significa 213 casos a mais que os oito primeiros meses de 2014.

O deputado Álvaro Porto (PTB) foi o primeiro a ocupar a tribuna para denunciar a completa falta de estrutura da Polícia no Estado. Segundo o parlamentar, em algumas regiões uma única viatura é responsável pela cobertura de três cidades e 70 municípios estão sem delegado.

“Desde o início do primeiro semestre temos cobrado soluções e debatido a questão em audiências com prefeitos, vereadores e a população, que está aterrorizada. Curiosamente, as iniciativas foram ignoradas pela Secretaria de Defesa Social”, afirmou o petebista.

O petebista chegou a pedir a saída do secretário de Defesa Social, Alessandro Carvalho. Segundo ele, o líder da pasta é “resistente” ao diálogo e o aumento descontrolado de crimes nos primeiros oito meses de 2015 são sinais de alerta.

“A complicada situação das polícias revela bem a ineficiência da secretaria. Se for o caso, ele (Carvalho) deve sair”, frisou.

Líder da Bancada de Oposição, Silvio Costa Filho (PTB), destaca que esses oito meses mostram uma tendência de crescimento generalizado da violência. “Não só nos casos de crimes contra a vida, com os assassinatos, mas também nos crimes contra o patrimônio, com aumento de 80% no índice de assaltos a agências bancárias e caixas eletrônicos e de pouco mais de 40% nos registros de assaltos a ônibus, segundo dados do Sinpol”, disse.

De acordo com o deputado Júlio Cavalcanti (PTB), além da crise enfrentada na área de segurança, o secretário da pasta, Alessandro Carvalho, não tem o hábito de ouvir a sociedade. “Temos problemas sérios de acesso ao secretário, que não mostra disposição de debater a situação”, criticou.

Segundo Edilson Silva (Psol), o Pacto pela Vida fez um bom diagnóstico do problema, mas não conseguiu ser implantado de fato. “É preciso deixar de se apontar culpados e buscar, efetivamente, uma saída para a grave crise da segurança. Hoje, o clima de insegurança nas ruas é muito grande”, reforçou o parlamentar.

A saída, para os parlamentares da Bancada de Oposição, passa pela valorização profissional dos agentes da segurança pública e pela manutenção dos insumos para a prestação do serviço.

“A atual gestão deixou de adotar os princípios que embasaram a criação do Pacto. A sociedade ficou à margem do debate e aos policiais civis e militares restou a pressão pelo cumprimento das metas”, avaliou Silvio Costa Filho.

O líder da Bancada voltou a cobrar a realização de uma audiência pública para discutir o Pacto pela Vida, que deve ser apreciada pelo Plenário nesta quinta-feira (3).

Postar um comentário