sexta-feira, 9 de outubro de 2015

Cópias do passaporte na conta de Cunha na Suíça


O deputado Eduardo Cunha usou passaporte diplomático para abrir contas secretas na Suíça. A cópia do documento está entre os papéis que provam a ligação do deputado com US$ 2,4 milhões bloqueados no país.
Esse tipo de passaporte, de capa vermelha, garante tratamento especial no exterior. É emitido para autoridades e pessoas que viajam em atividades de "interesse do país". No caso das contas secretas, o interesse era só de Eduardo Cunha, comenta Bernardo Mello Franco, na Folha de S.Paulo desta sexta-feira.
Cópias dos passaportes de Cunha e de familiares dele foram anexadas nos formulários de abertura das contas do banco Julius Baer que deram origem à investigação contra o peemedebista por suspeito de corrupção e lavagem de dinheiro na Suíça.
Os formulários e os anexos fazem parte dos dossiês bancários entregues pelo Julius Baer ao Ministério Público suíço e remetidos à Procuradoria-Geral da República nesta semana.
As contas atribuídas ao deputado estão em nome de empresas offshore, firmas de fachada abertas em paraísos fiscais, mas a legislação suíça obriga os bancos a identificarem os beneficiários finais das aplicações financeiras –no caso, Cunha, a mulher dele, Cláudia Cruz, e a uma das filhas do congressista.
Nos formulários das quatro contas atribuídas constam como endereço a rua Heitor Doyle Maia, 98, na Barra da Tijuca, no Rio. O imóvel que está em nome da empresa C3 Produções Artísticas, empresa que tem como cotistas Cunha e a mulher, é o endereço residencial do casal.
Postar um comentário