sexta-feira, 9 de outubro de 2015

Pedido de intervenção em Gravatá já seguiu para o Ministério Público

Bruno Martiniano - reprodução internet
Seguiu ontem (8) para o procurador geral de Justiça, Carlos Guerra, ofício assinado pelo presidente em exercício do Tribunal de Contas, Carlos Porto, comunicando que a Corte aprovou por unanimidade um pedido de intervenção estadual no Município de Gravatá.
O pedido foi recomendado pelo Ministério Público de Contas à conselheira Teresa Duere, relatora das contas do município do presente exercício. Ela o submeteu à consideração do Pleno, que o aprovou por unanimidade.
O prefeito Bruno Martiniano (sem partido) é acusado pelo MPCO da prática de 14 graves irregularidades, entre elas a licitação do lixo.
Caso o procurador aceite os argumentos do TCE, fará uma representação contra o prefeito na Corte Especial do Tribunal de Justiça, que decidirá se cabe ou não intervenção estadual no município. Em caso positivo, o governador do Estado nomeará o interventor.
O pedido de intervenção teve grande repercussão em Gravatá e fez com que os pré-candidatos a prefeito começassem a botar suas tropas na rua, especialmente o deputado Waldemar Borges (PSB) e o ex-prefeito Joaquim Neto (PSDB). Este último lidera as pesquisas.
Postar um comentário