quinta-feira, 5 de novembro de 2015

Lula diz que pode ser candidato em 2018 durante evento em Brasília

A declaração foi dada no fim do discurso de quase uma hora na 5º Conferência Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional

Agência Estado

Ex-presidente admitiu uma nova candidatura durante evento. (Foto: Domínio público)
Sob gritos da plateia pedindo sua volta à Presidência, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva admitiu nesta quinta-feira que poderá ser candidato à sucessão da presidente Dilma Rousseff em 2018. A declaração foi dada no fim do discurso de quase uma hora na 5º Conferência Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional. O evento é promovido pelo Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (Consea), do qual o petista é presidente de honra. 

Em sua fala, Lula afirmou que "não estou candidato", pois ainda faltam três anos para as eleições. "Mas uma coisa vou dizer para vocês: nem que eu tiver apenas um minuto de vida em 2018, se tiver concorrendo contra nós um projeto conservador que tenha como objetivo acabar com as coisas que nós fizemos nesse País, pode estar certo que vou estar na campanha, ou como cabo eleitoral ou como candidato", ponderou.

Antes do discurso de Lula, a ministra do Desenvolvimento Social, Tereza Campello, saiu em defesa do ex-presidente durante breve discurso no evento do Consea. "Muita gente diz que o senhor é culpado de muita coisa, nós aqui achamos que o senhor é culpado de ter tirado o Brasil do mapa da fome, de ter criado o Bolsa Família, de ter reduzido a mortalidade infantil", afirmou.

"Não vou mais admitir que corrupto me chame de corrupto"

O ex-presidente subiu o tom nesta quinta-feira e disse que não vai mais admitir que corruptos o acusem de corrupção. Durante discurso de quase uma hora na 5º Conferência Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional, o petista também criticou a oposição por pedir o impeachment da presidente Dilma Rousseff.

"Não vou mais admitir que corrupto me chame de corrupto porque todos esses que ficam nos acusando, se colocar um dentro do outro, não dá 10% da minha honestidade", afirmou Lula durante o evento promovido pelo Consea.

O ex-presidente conclamou a militância a reagir às críticas de corrupção que ele o PT vêm sofrendo. Sem citar qualquer investigação específica, Lula destacou que os escândalos de corrupção estão vindo à tona atualmente não porque começaram só agora. "É porque tem um governo que está apurando mais do que eles apuravam antes", ressaltou.

O petista reconheceu que a presidente Dilma Rousseff não vive o melhor momento de seu governo, mas ponderou que a dificuldade não é apenas dela. "É nossa, é do Brasil, é do mundo", disse, emendando: "Nós temos que ajudar. Quando as coisas não estão bem é que temos que assumir a postura."

Lula avaliou que, ao pedir o impeachment de Dilma, a oposição quer "derrubar um projeto que teve sucesso neste País". Segundo ele, os ataques que ele vem sofrendo "não são à toa". Para ele, a oposição quer derrubá-lo pelo medo de que ele volte à Presidência nas eleições de 2018.

Postar um comentário