quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

Derrota: fim da lua de mel entre Temer e Congresso

Deputados retiram contrapartidas de renegociação de divídas dos Estados

Blog do Kennedy Via Blog do Magno

 derrota ontem na Câmara significa o fim da lua de mel do governo Temer com o Congresso. Com um placar de 296 votos a favor, os deputados federais aprovaram o projeto de renegociação da dívida dos Estados com a União, mas retiraram contrapartidas defendidas pela equipe econômica.

Em Brasília, ocorreu uma piora política nas últimas semanas, com as revelações de detalhes das delações da Odebrecht e a continuidade de notícias negativas na economia. No Senado, já havia acontecido uma redução da margem de segurança do governo ao votar a PEC do Teto no segundo turno quando se compara com o resultado da primeira fase.

Ontem, porém, houve uma derrota acachapante do governo em geral e do Ministério da Fazenda em particular. O resultado também mostra que a disputa pelo comando da Câmara já é fator predominante em todas as articulações. O presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), candidato à reeleição em fevereiro, atropelou o líder do governo, André Moura (PSC-SE), e ainda afirmou que os deputados não precisavam “dizer amém ao Ministério da Fazenda”.

Politicamente, o projeto aprovado dificultará as negociações da União com cada Estado. Se houvesse previsão das contrapartidas, seria mais fácil para o governo federal fechar os acordos. Agora, isso dependerá de negociações caso a caso.

No Rio, a Assembleia Legislativa resistiu a aprovar medidas de combate à crise propostas pelo governo estadual. O mesmo tende a se repetir em outros Estados.

A derrota de ontem sugere que o governo deverá ter mais dificuldade no Congresso no ano que vem, quando deseja aprovar a reforma da Previdência.

Do ponto de vista econômico, adia mais uma vez uma solução para a crise fiscal dos Estados, que tendem a empurrar os problemas com a barriga e deixar a conta para as gerações futuras. Não adianta a Fazenda divulgar uma nota arrogante, dizendo que não muda nada com a aprovação do projeto e que jogará duro nas negociações..

Muda muito. Foi uma grande derrota de Meirelles, que deveria ter mais humildade na reação. Ocorreu um enfraquecimento do governo Temer.

O presidente Michel Temer errou na estratégia ao implementar medidas econômicas. Focou apenas na PEC do Teto. Adiou o envio de uma reforma da Previdência que estava pronta fazia tempo. Também demorou a fechar um acordo com os Estados e acabou cedendo demais.

O governo perdeu tempo. Deveria ter jogado duro na largada. Temer está no poder há mais de sete meses, mas assumiu pra valer há três meses e meio. O clima político era outro. Agora, piorou.

O governo fez uma opção para agradar setores empresariais que apoiaram ostensivamente o impeachment. Manteve desonerações que Dilma havia dado, abrindo mão de receita em favor de segmentos escolhidos a dedo. Abandonou a ideia de uma CPMF para ajustar as contas públicas mais rapidamente.

De agora em diante, Temer terá um ambiente político mais adverso e que tende a piorar com o avanço da Lava Jato e as suas repercussões sobre PMDB e PSDB, os dois principais partidos de sustentação do governo.

Postar um comentário