quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

Bolsista do ProUni faz TCC sobre condução coercitiva e convida Lula para festa de formatura

Estudante analisou a condução coercitiva do ex-presidente para mostrar a importância do contraponto no jornalismo

Da esquerda para a direita: Rafaela Amaral, Matheus Alves, Rita Garrido e Émerson da Costa. Todos são bolsistas do ProUni

Até poucos anos atrás, a universitária de jornalismo Rita Correa Garrido, de 26 anos, sequer pensava em cursar o ensino superior, assim como milhões de brasileiros e brasileiras.

Filha de comerciantes, estudante de escolas públicas durante todo o ensino fundamental e médio, Rita resolveu apostar no ProUni, que lhe propiciou uma bolsa de 50% no curso de Jornalismo, da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos), em São Leopoldo (RS). Para garantir o restante da graduação, Rita teve auxílio do FIES e pode financiar os outros 50% do curso. 

Após enfrentar jornadas exaustivas de trabalho, estudo, preconceito e até exclusão dos colegas, que faziam piadas de sua condição de bolsista, Rita está a poucos dias de sua maior conquista: a formatura, no próximo dia 20. 

Pensando na caçada judicial e midiática contra Lula, principalmente sobre a condução coercitiva sofrida pelo ex-presidente em março do ano passado, Rita resolveu abordar o acontecimento em sua pesquisa de conclusão de curso. Com o tema "A Construção de Sentidos Sobre a Condução Coercitiva do Ex-Presidente Lula: análise das notícias em CUT-RS e Zero Hora", a pesquisa busca reforçar a importância do contraponto dos demais meios jornalísticos (sindical, independente e alternativo). 

"A condução coercitiva do ex-presidente Lula ocorreu em meio à pesquisa, no momento em que eu ainda estava procurando um acontecimento que demonstrasse a importância do contraponto no jornalismo. Acredito que o jornalismo sindical tem esse potencial, justamente por se dirigir diretamente à classe trabalhadora como um instrumento de conscientização e formação de senso crítico", afirmou.

Na pesquisa, Rita analisou os sentidos que se construíram nas publicações de Zero Hora e da CUT-RS. "O contraponto apareceu, pois o mesmo acontecimento foi noticiado de maneira distinta pelos dois veículos, a partir das fontes escolhidas, dos trechos de falas selecionados, das informações contextualizadas", explica. 

Para comemorar a formatura, Rita enviou uma carta ao ex-presidente Lula e fez o convite para ele participar de sua festa. Como não poderá estar presente, Lula fez questão de ligar para a universitária para agradecer a carta e o convite. Durante a conversa, o ex-presidente falou sobre a importância de programas como ProUni e Fies para garantir o acesso democrático ao ensino superior.

"Eu tenho consciência do significado do ProUni na vida das pessoas. Mas, lamentavelmente, no Brasil ainda tem gente que não quer compreender e não quer que os mais humildes sejam iguais a ele. Esse é o grande problema. As pessoas não estão preocupadas se você está tirando delas, as pessoas não querem que você seja igual a elas. Querem que você esteja no degrau debaixo", disse Lula. 

O ex-presidente afirmou que ficou muito emocionado com a carta e com a garra da estudante. "Estou te ligando para te dar os parabéns. Quando for ao Sul, vou te ligar. Teria um imenso prazer de te dar um abraço e um beijo". Para Rita, a conversa teve um significado especial. "Senti a necessidade de agradecer a oportunidade que tive em cursar o ensino superior. Fiz isso por meio de uma carta e um convite para a formatura. Receber este retorno foi gratificante e me certificou ainda mais sobre quem está comprometido com questões de inclusão social e igualdade".

Revolução na educação

Com a expansão e interiorização das universidades federais, a entrada dos jovens pobres no ensino superior e bolsas de estudo para as melhores universidades do mundo, a universidade no Brasil deixou de ser sinônimo de privilégio e passou a representar acesso democrático ao conhecimento

Prioridade máxima dos governos Lula e Dilma Rousseff, nos últimos 13 anos a educação brasileira deu um salto de qualidade e começou a construir um caminho de oportunidades e de futuro para todos. O orçamento cresceu fortemente: de R$ 18 bilhões em 2002 para R$ 115,7 bilhões em 2014. O aumento real foi de 218%. 

Primeiro brasileiro sem diploma universitário a chegar à Presidência, Lula promoveu uma revolução no ensino superior. Construiu 14 novas universidades federais. Espalhou extensões universitárias pelo interior do país. Implantou o Reuni, ampliando a oferta de cursos e vagas nas universidades federais que já existiam. Criou o ProUni, que garante o acesso de estudantes carentes às faculdades privadas. Dilma continuou a obra de Lula, e em dez anos o Brasil dobrou o número de matrículas em instituições de educação superior: de 3,5 milhões em 2002 para  mais de 7,1 milhões em 2014. E tudo começou com um presidente que tinha apenas o diploma de torneiro mecânico do Senai.

Para conhecer todos os avanços na educação no Brasil dos últimos 13 anos, acesse o site do Brasil da Mudança.

Veja a íntegra da carta que Rita enviou ao ex-presidente:

AnexoTamanho cartaggg.docx15.18 KB

Postar um comentário