segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

Meio milhão de famílias voltam ao programa Bolsa Família

Alta do desemprego, causada pela crise, levou pessoas a retornar programa de repasse de renda em 2016

Por Zero Hora

  

Foto: Cynthia Vanzella / Agencia RBS

recessão que atinge o país desde o segundo trimestre de 2014 provocou, no ano passado, o retorno de pouco mais de meio milhão de famílias ao Bolsa Família no país. São pessoas que haviam saído do programa de transferência de renda até 2011, mas em razão do desemprego em alta, viram-se na situação de pedir o reingresso.

Segundo dados do Ministério do Desenvolvimento Social publicados pelo jornal O Globo, 519.568 famílias solicitaram o retorno ao programa. A demanda já havia aumentado significativamente, de 104,7 mil famílias em 2014, para 423,7 mil no ano seguinte. A diminuição da quantidade desses pedidos deve acontecer à medida que a economia volte a crescer.

A procura, incluindo quem já foi beneficiário ou não do Bolsa Família, aumentou 33% nos últimos dois anos. Em 2015, foram habilitadas 1,2 milhão de famílias – média de 105 mil por mês. No ano passado, chegou a 1,6 milhão, ou 141 mil a cada mês.

Em janeiro, havia uma fila de espera de 463,9 mil famílias para entrar no programa. O governo informou que conseguiu incluir essas pessoas, e o saldo atual de habilitados que aguardam é de 1,9 mil famílias. Essa redução da fila ocorreu em razão do pente-fino realizado no programa no segundo semestre do ano passado, somado ao reforço nas fiscalizações. Com isso, houve desligamento de milhares de pessoas. Em 2016, 3 milhões de famílias tiveram o benefício cancelado por falta de atendimento aos requisitos exigidos, enquanto 2,4 milhões foram incluídas.

Ao todo, 13,5 milhões de famílias – cerca de 50 milhões de pessoas – são atendidas pelo programa. A maioria – 75% do total – está concentrada nas regiões Nordeste e Sudeste. O valor médio do benefício é de R$ 182 – a quantia varia conforme a renda familiar, o número de dependentes e outros fatores.

Em junho do ano passado, o governo de Michel Temer anunciou reajuste de 12,5% no Bolsa Família. A administração estuda novo repasse aos benefícios a partir dos pagamentos de julho, dessa vez com base na inflação dos últimos 12 meses encerrados no período, o que deve resultar em um aumento entre 4% e 5%.

Postar um comentário