terça-feira, 7 de março de 2017

Menino hostilizado por Cabral é hoje agente penitenciário de sua ala em Bangu


bocanotromboneitaguai

Retratos de um país manchado. O mundo dá voltas…


Agência Brasil

Um vídeo que circula na internet há mais de seis anos, que teve milhares de acessos e que provocou, inclusive, ameaças de morte ao autor das imagens mostra quem era Sérgio Cabral já na época em que ele ainda governava o Estado do Rio de Janeiro.

Ao visitar um Complexo Esportivo, Cabral ouve de um adolescente de 16 anos, identificado como Sergio Sandro Sorayo Sarmento da Silva Souza Seabra, algumas reivindicações para melhorar o funcionamento do local para os moradores. O então governador, ao lado de seu vice Luiz Fernando Pezão, hoje governador do estado, hostiliza o adolescente. Pezão e Cabral foram filmados esculachando o menino. Naquela época o vídeo foi parar no Blog do jornalista Ricardo Gama. Após 800 mil pessoas assistirem, o jornalista começou a receber ameaças de morte caso o vídeo não fosse removido.

Com educação e respeito, o rapaz continua a abordagem e segue caminhando ao lado de Cabral. O menino insiste no pedido de melhorias para sua comunidade e reclama da repressão da polícia e do “caveirão” em relação aos moradores da favela. A resposta de Sérgio Cabral é a seguinte: “Deixa de ser otário, rapá! Fazendo discurso de otário”.


 

Humilhado seis anos atrás pelo governador por reivindicar melhorias sociais, o adolescente daquela época tem hoje 22 anos e se tornou agente penitenciário da Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap). Recentemente, Sergio Sandro foi designado para trabalhar no pavilhão onde Sérgio Cabral está preso desde novembro por crimes como lavagem de dinheiro, corrupção e formação de quadrilha.

 

Menino na época, hoje através de concurso ele é agente penitenciário

“Foi muita coincidência”, sintetiza, agora, o menino, que no passado foi destratado por um governador de estado.

Opinião do blog: Vivemos em um país onde o justo e o certo, são penalizados antes mesmo de serem conhecidos. Enquanto outros que agem de modo escuso, são tratados como “lideres e chefes” de um sistema falido e impudico. Exemplos como esse, servem de lição para que um dia, esse país seja de fato um lugar digno e soberano para àqueles que tem a honestidade e a honra como lemas de vida…

Postar um comentário