terça-feira, 28 de março de 2017

Mulher que alertou danos sofridos após consumo de chá natural não resiste e morre



Lúcio Borges


Ana não resistiu às complicações que sofreu após consumo de chá e morreu. (Foto: Arquivo Pessoal)


Ana Claudia Salles, 38 anos, morreu nesta segunda-feira (1º) em decorrência de uma cirrose hepática, após tomar um chá ‘noz da índia’, que promete reduzir peso. A mulher foi adepta ao chá, que contém propriedades ainda misteriosas, mas que segundo quem recomenda o consumo, aponta resultados rápidos e até milagrosos para ficar magra. O tal chá emagrecedor causou complicações ao organismo da jovem que já teve hepatite. Ana chegou a dar entrevistas não recomendando o consumo do chá, tendo em vista as diversas complicações que ela teve.


Ana vinha lutando há seis meses para se livrar das consequências deixadas pelo chá em seu fígado. Após passar mal, ir ao médico e descobrir as substâncias que haviam no chá, ela teve o conhecimento de que o produto pode fazer com que algumas pessoas venham a contrair uma hepatite fulminante. Como ela já teve a doença, os efeitos do chá foram ainda mais nocivos ao seu fígado e fizeram com que ela entrasse na fila para um transplante do órgão. A jovem já vinha alertando conhecidos e até concedeu uma entrevista sobre a questão ao programa Bom Dia MS, da TV Morena.

A jovem havia relatada na entrevista que tomou por um mês o ‘noz da índia’, período em que passou a ter muitos problemas de saúde. “Queria perder peso, fui atrás e me convenci dos resultados rápidos que o chá poderia trazer. Em 30 dias tomei o ‘noz da índia’ e parecia que iria mesmo perder peso rápido. Mas a partir de então também adquiri inchaço no corpo, fraqueza; problema emocional, ficando isolada no quarto, dores e por fim estourei meu fígado”, relatou Ana ao Bom Dia MS.

O médico hepatologista, Ivan Reiyes, alerta que o que aconteceu com Ana pode ser a realidade de qualquer pessoa, pois o uso de qualquer substância sem acompanhamento clínico pode trazer efeitos colaterais. “Tudo causa alguma toxidade e depende do organismo e da sensibilidade individual. Emagrecedores, chás, ervas servem para um e para outro da mesma família não. Além de ver o preparo, que muitos são em condições irregulares, que levam junto bactérias e vírus. Este chá ‘noz da índia’ já foi verificado que pode dar hepatite fulminante e levar à morte, se não ao transplante do fígado”, explicou.

A irmã da jovem, Marisângela Sales, falou na tarde desta terça-feira (2), momentos antes do início do velório, sobre o acontecido e que a família irá pensar como irá proceder para buscar alguma indenização ou mesmo para alertar autoridades, a população e conscientizar sobre o perigo deste chá e de muitos outros produtos.

“No momento estamos tentando recuperar, superar primeiro a perda e pensar direito no que podemos fazer. À princípio foi essa semente do chá médico. Ela já teve hepatite na adolescência, que veio novamente à tona e agravada agora devido ao ‘noz da índia’. Há seis meses ela lutava com o fígado que ‘estourou’ e não aguentou até o transplante”.

A irmã apontou que a família pediu um laudo especial ao IML (Instituto Médico Legal). “Não vamos fazer nada, até porque não temos provas concretas. Após com laudo oficial é que vamos ver o que se pode fazer. Ou mesmo denunciar este chá e mostrar, conscientizar as pessoas para o mal que pode fazer e acabar como a Ana”, disse Marisângela

Postar um comentário