quarta-feira, 12 de abril de 2017

Delatores relatam "vantagens indevidas" a Eduardo Campos



WÁLTER NUNES
DE SÃO PAULO

Avener Prado - 25.jul.14/FolhapressEduardo Campos, ex-governador de Pernambuco.

Os delatores da Odebrecht João Antônio Pacífico, ex-diretor superintendente para as áreas Norte, Nordeste e Centro-Oeste, e Carlos Fernando do Vale Angeiras, ex-diretor de contratos, relataram aos procuradores da Lava Jato que entre os anos de 2007 e 2008 a empreiteira pagou "vantagem indevida" ao então governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), morto em 2014 em acidente aéreo.

Segundo os delatores, Campos e o seu interlocutor Aldo Guedes recebiam um percentual de 3% dos valores dos contratos que o Grupo Odebrecht mantinha no estado.

Guedes era sócio de Campos na Fazenda Esperança e na Agropecuária Nossa Senhora de Nazaré, em Brejão (PE).

O dinheiro repassado a Campos e Guedes, segundo os ex-executivos da empresa, alcançaria R$ 5 milhões de reais.

Os pagamentos eram contrapartida de um acordo de ajuste para fixação artificial de preços e controle de mercado relativo à obra do Adutor Pirapama, na região metropolitana de Recife, nos anos de 2007 e 2008.

O Adutor Pirapama era, na ocasião, a maior obra hídrica do Nordeste e foi projetado para aumentar em 48% o abastecimento de água na região metropolitana do Recife, que sofria com o rodízio de água.

Como Aldo Guedes não tem prerrogativa de foro, o ministro Edson Fachin determinou que as delações dos ex-executivos da Odebrecht sejam enviadas para o Judiciário e para o Ministério Público de Pernambuco.

HISTÓRICO

Neto do ex-governador de Pernambuco Miguel Arraes, Eduardo Campos comandou o estado por dois mandatos, entre os anos de 2007 e 2014.

Antes, havia sido ministro da Ciência e Tecnologia, no governo Lula, entre 2004 e 2005.

Candidatou-se à Presidência da República, em 2014.

Na manhã de 13 de agosto, porém, o avião modelo Cessna Citation 560XLS+ em que viajava do Rio de Janeiro para o Guarujá caiu em um bairro residencial de Santos. Ninguém que estava a bordo sobreviveu

Postar um comentário