quarta-feira, 24 de maio de 2017

Brasília vira Praça de Guerra

Protesto tem confronto entre manifestantes e policiais


Magno Martins 




Aa área mais próxima do Congresso Nacional, gás lacrimogêneo e bombas usadas pela PM afastaram parte dos manifestantes. Clima é de tensão nesse trecho da Esplanada. Mais atrás, manifestantes seguem caminhada que começou no Mané Garrincha.


A estimativa da Secretaria de Segurança Pública do DF é que cerca de 25 mil pessoas participam da marcha. Brasília recebeu 500 ônibus com caravanas de outros Estados que vieram à capital para o protesto. No trajeto pelo Eixo Monumental, mais pessoas vão se juntando à marcha


Policiais tentam criar barreira de isolamento

No Eixo Monumental, policiais tentam criar barreira de isolamento para que manifestantes não cheguem no Congresso Nacional e na Praça dos Três Poderes.

Após o lançamento de bomba de gás lacrimogênio e uso de spay de pimenta, teve muita fumaça e confusão


Homem tem o olho perfurado em protesto

A organização do evento afirma que um homem teve o olho perfurado. O Corpo de Bombeiros ainda não confirma o que houve. O homem ainda não foi identificado, mas já está sendo atendido.

 Imagens da TV Globo mostram manifestantes sendo detidos mas Polícia Militar e Secretaria de Segurança Pública não divulgaram informações sobre situação no local.



Ministério da Agricultura é alvo de vandalismo

O interior do Ministério da Agricultura foi depredado e grupo ateou fogo em área interna do prédio. Outros mnifestantes colocaram fogo em cones e placas de sinalização do Detran que estavam próximas ao Ministério da Defesa e eram usadas para bloquear protesto na Praça dos Três Poderes.

Um refletor foi quebrado perto do Ministério dos Transportes. Manifestantes jogam pedras nos policiais e PM revida com spray de pimenta e gás lacrimogênio.
Vândalos quebraram e atearam fogo em orelhões instalados ao longo da Esplanada dos Ministérios. Pelo menos cinco prédios dos órgãos ministeriais foram alvos de vandalismo – Planejamento, Cultura, Fazenda, Transportes e Minas e Energia.



Postar um comentário