quarta-feira, 24 de maio de 2017

Governador diz que vai adotar a técnica, bateu, levou

Foto: José Cruz/ Agência Brasil

jamildo
A fala do presidente do PTB dizendo que Paulo Câmara era o pior governador da história de Pernambuco foi a gota dágua. O governo Paulo Câmara não vai deixar mais critica sem resposta, mesmo frisando que não pretende antecipar 2018.

“Não vamos deixar nada sem resposta. Não vamos antecipar 2018. Mas não vamos deixar mentiras sem resposta”, conta um aliado do governador.

Nesta segunda-feira, a oposição fez uma verdadeira blitz para atacar o socialista. Primeiro, foi a nota assinada pelo senador Armando Monteiro. Depois, a bancada de oposição na Alepe. Por fim, as críticas do presidente do PTB.

José Humberto Cavalcanti, deputado estadual, havia sido escalado para rebater Sileno Guedes, que por sua vez havia sido escalado para desancar Armando Monteiro.

“É verdade que o governador Paulo Câmara e o prefeito Geraldo Julio estão no centro do noticiário. Infelizmente, o principal assunto que hoje se associa a eles é a corrupção. Antes das recentes denúncias envolvendo propina da JBS, a dupla já era investigada até pelo Supremo Tribunal Federal, dentro da Operação Fair Play, braço local da Lava Jato, que apura irregularidades na construção da Arena Pernambuco”, escreveu.

Nesta segunda-feira, no Palácio, o governador Paulo Câmara já havia reagido com indignação e chamou de insinuações a delação do executivo da empresa JBS Ricardo Saud.

“Quero dizer que estou indignado, mas não vou baixar a cabeça. Eu tenho o compromisso de trabalhar por Pernambuco e vou continuar trabalhando. Sou servidor público. Vivo do meu salário e só tenho dois patrimônios: a minha família e meu nome. E ninguém vai manchá-los”, declarou Paulo Câmara, durante cerimônia no Palácio do Campo das Princesas.

“Quero também aproveitar essa oportunidade de estarmos aqui hoje, numa plateia tão qualificada, com tanta gente, tantos amigos e amigas que estou vendo aqui para, também, dar uma explicação. Na verdade, dar uma satisfação. Dizer o que é preciso ser dito a cada pernambucana e a cada pernambucano diante dos fatos que a gente tem ouvido falar desde a última sexta-feira. A minha campanha eleitoral de 2014 não recebeu recursos da empresa JBS. Quero dizer isso porque nem minha campanha, nem o PSB estadual recebeu nenhum centavo desta empresa. As doações que a JBS fez foram ao PSB nacional, que registrou. Está tudo registrado nas doações do PSB nacional”, discursou Paulo Câmara.

“Essa própria pessoa que está fazendo a delação foi muito textual ao dizer que a doação ao PSB nacional ocorreu sem nenhuma contrapartida e sem nenhum benefício”.

O governador Paulo Câmara disse ainda que, na Petição 7.003, do Ministério Público Federal, assinada pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, que trata da delação premiada da JBS, não há menção ao nome dele, nem do prefeito Geraldo Julio e nem do ex-governador Eduardo Campos.

A petição foi acolhida pelo relator do processo no Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Edson Fachin.

Postar um comentário