sexta-feira, 19 de maio de 2017

Temer tenta ganhar tempo



Postado por Magno Martins


    Temer ganha tempo e agrava crise


O presidente Temer não jogou a toalha, ontem, no pronunciamento à Nação, porque, como jurista e conhecedor da lei e do tempo político, sabe que esta decisão terá que ser amadurecida para ser tomada em outro tempo, que não deve demorar. Os áudios liberados, ontem, pelo Supremo, comprovam o envolvimento do presidente da República em atos de obstrução da Justiça com o objetivo de afastar qualquer investigação e de eliminar a sua ligação com Eduardo Cunha.


Cada dia, entretanto, que Temer permanecer à frente do País aprofundará a crise econômica e a instabilidade política. Ao se agarrar ao poder, o presidente tem dois objetivos: primeiro, se proteger das consequências criminais que pesarão contra ele quando deixar a Presidência e, segundo, ganhar tempo para conduzir o Congresso a uma eleição indireta em que ele eleja o próximo presidente.


A não renúncia tem o sentido da preservação desse guarda-chuva protetor do foro privilegiado. É ruim para o País, agrava a crise. São inevitáveis dois processos. O processo penal no Supremo e o processo de impeachment no Congresso. A nação continuará sangrando com a sua decisão. Alguns poderão dizer que faltou grandeza ao presidente Michel Temer de renunciar e refazer o pacto na condução da crise econômica, mas o que ele fez foi se preservar.


Renunciando de imediato, Temer poderia até ser preso de imediato, caindo nas garras do juiz Sérgio Moro. Temer vai passar uns dias em agonia e vai colocar o povo em agonia. Perdeu a oportunidade de fazer um discurso com menos retórica e mais gesto. O depoimento de Temer, na fala à Nação, trouxe a enorme gravidade, porque, em primeiro lugar, disse que se encontrou com o empresário em agenda que não havia sido divulgada pela Presidência da República.


O presidente decidiu desafiar a crise. Politicamente, ele já foi julgado. Não tem mais condições de governabilidade. Neste momento grave de crise, ele optou muito mais pela imunidade institucional do que pela realidade que passa o País, com mais de 14 milhões de desempregados. O gesto que se esperava era a renúncia, para dar mais celeridade a uma solução para a crise. No momento em que ele resolve desafiar a crise, não existe outro instrumento que não seja trabalhar o processo de afastamento do presidente pelo Congresso, o que fez a oposição, ontem, protocolando o pedido do processo de impeachment


Postar um comentário