quarta-feira, 18 de outubro de 2017

Aeronave do Greenpeace cai no interior do Amazonas



Monomotor tinha capacidade para transportar até 8 pessoas, segundo a Anac


JC Online



   Avião monomotor do Greenpeace tinha capacidade para até 8 passageiros, segundo Anac

Uma aeronave monomotor do Greenpeace caiu, por volta das 15h (horário de Brasília), na região do arquipélago de Anavilhanas, próximo à cidade de Novo Airão, no interior do estado do Amazonas. De acordo com a Força Aérea Brasileira (FAB), a aeronave é do modelo CESSNA AIRCRAFT, 208. De acordo com o grupo ambiental cinco pessoas estavam a bordo, uma delas morreu.


Uma equipe da FAB foi destacada para acompanhar e investigar as circunstâncias da ocorrência.


A região da queda

Novo Airão está localizado na região metropolitana de Manaus e tem 18 mil habitantes. Dentro do município está o Parque Nacional de Anavilhanas, considerada área federal de proteção com arquipélagos fluviais.


"A ação inicial é o começo do processo de investigação. São feitos registros fotográficos, partes da aeronave são retiradas para análise, relatos de testemunhas e documentos são colhidos", informou a FAB. "A investigação realizada pelo Cenipa tem o objetivo de prevenir que novos acidentes com as mesmas características ocorram."


O modelo da aeronave

Conforme consulta no site da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), o avião, fabricado em 2009, tem capacidade para transportar até 8 pessoas e tem como proprietário o Greenpeace Brasil. Com peso máximo de decolagem de 3.792 quilos e opera para serviços aéreos privados. "Neste momento estamos de luto e concentrando esforços na ajuda as vítimas", informou o Greenpeace.


A classe é apontada como "Anfíbio 1 motor turbohélice" e decola com até 3,7 toneladas. A sua categoria é para serviços privados. A data de validade do certificado de aeronavegabilidade é 10 de agosto de 2021 e a inspeção anual de manutenção vale até o dia 3 de agosto de 2018.


A Anac informou que conforme dados do Registro Aeronáutico Brasileiro (RAB), a Inspeção Anual de Manutenção (IAM) e o Certificado de Aeronavegabilidade (CA) da aeronave estavam válidos, ou seja, a aeronave estava regular e, portanto, apta a voar.


O voo

Conforme a assessoria do Greenpeace, o voo trava-se de um procedimento padrão na região. A identificação das vítimas ainda não foi confirmada, e uma nota com outros detalhes deve ser divulgada ainda hoje.


"Nesta terça-feira, dia 17 de outubro de 2017, ocorreu um fato trágico com o avião do Greenpeace. Neste momento, estamos concentrando todos os nossos esforços em prestar assistência às vítimas e suas famílias e também em colaborar com os órgãos competentes que estão investigando o fato. Haviam 5 pessoas a bordo, com uma vitima fatal. Teremos uma nota com mais informação o mais breve possível. O Greenpeace está em luto", foi o que confirmou o Greenpeace até o momento.


Nota oficial do Greenpeace

"Lamentamos confirmar um trágico acidente com a aeronave Cessna Caravan 208 de prefixo PR-MPE, do Greenpeace Brasil, que ocorreu na manhã desta terça-feira (10h50, horário local), dia 17 de outubro de 2017. O avião estava sobrevoando a região de Anavilhanas, próximo a Manaus, no Amazonas. Houve uma vítima fatal, de nacionalidade sueca. Em respeito a família da vítima, por ora não divulgaremos seu nome.


Estavam  também no avião o piloto e outros três funcionários brasileiros da organização, que sobreviveram. Eles recebem atendimento médico e passam bem. Nesse momento, estamos concentrando todos os esforços em prestar assistência às famílias das vítimas, e estamos à disposição das autoridades para colaborar com as investigações sobre as causas do acidente.


Não há palavras para descrever a profunda tristeza que sentimos neste momento.


O Greenpeace está em luto.


Postar um comentário