sábado, 21 de julho de 2018

PSDB de PE pode rever aliança com Armando Monteiro



Legenda estaria insatisfeita com os gestos que o senador Armando Monteiro (PTB) tem feito em direção da candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva à Presidência


por Giselly Santos 


Executiva do PSDB deve se reunir até a próxima segunda-feira (23) para debater o assuntoChico Peixoto/LeiaJáImagens/Arquivo

O PSDB de Pernambuco pode rever a aliança firmada com o senador e pré-candidato a governador, Armando Monteiro (PTB). A possibilidade foi levantada depois da divulgação do comunicado do presidente estadual da legenda, deputado federal Bruno Araújo, sobre as “dificuldades” levantadas pelo conjunto de partidos que compõem a frente “Pernambuco Vai Mudar”, liderada por Armando, em aceitar o seu nome para a segunda vaga da chapa ao Senado. 


Além do veto ao nome de Bruno, outro desconforto que tem pesado entre os tucanos são os gestos de apoio de Armando a eventual candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) à Presidência da República. O PSDB tem o ex-governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, na disputa e quer garantir o palanque para pedir votos para ele no Estado. 

Secretário-geral do PSDB estadual, o deputado federal Betinho Gomes disse neste sábado (21), ao LeiaJá que a Executiva deve se reunir até a próxima segunda-feira (23) para debater o assunto. Apesar de não confirmar a existência do sentimento entre os tucanos, Betinho admitiu que “tudo pode acontecer”. 

“Devemos nos reunir em breve para analisar todo o quadro político. Foi apresentado o nome dele [Bruno Araújo] para o Senado, houve algum tipo de dificuldade e ele decidiu expor para que a Executiva do Partido pudesse refletir”, relatou. 

“O momento é de conversas internas, não tem nenhuma deliberação ainda, mas tudo pode acontecer, naturalmente. Vamos conversar considerando não só o aspecto local, mas nacional. Temos uma candidatura presidencial que está ganhando força que está sendo construída com o apoio de todos os Estados”, completou Betinho. 

Questionado se os gestos de Armando, que visitou o ex-presidente Lula na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba na última terça-feira (17), estão gerando desconforto entre os tucanos, o deputado federal admitiu que sim. “Ninguém pode negar que isso não gere desconforto. No Estado, em tese, a maioria dos partidos que estão nessa aliança [da chapa Pernambuco Vai Mudar], estarão nacionalmente aliados ao projeto de Geraldo. Claro que causa desconforto ter um movimento diverso que aponte em outro sentido. Não deixa de ser um elemento que incomoda”, observou o dirigente tucano. 

No comunicado em que expõe a fissura com Armando e os partidos aliados, Bruno Araújo também reforça a insatisfação mesmo sem citar o nome de Lula.  "Sigo firme também para defender um projeto nacional que precisa oferecer aos pernambucanos outra alternativa ao congestionamento político que existe aqui de apoio a um único candidato presidencial, que não deve ser a única alternativa oferecida a um Estado de histórica e rica diversidade política como o nosso", destaca, referindo-se ao fato de os três nomes evidenciados como postulantes ao Governo - Armando, o atual governador Paulo Câmara (PSB) e a vereadora Marília Arraes (PT) - estão alinhados a eleição de Lula. 

LeiaJá entrou em contato com Armando Monteiro para detalhar a situação, mas por meio da assessoria ele informou que não se posicionaria sobre a nota de Bruno nem sobre o eventual rompimento

Postar um comentário