sexta-feira, 11 de janeiro de 2019

Petrobras reduz pela terceira vez consecutiva preço do gás de cozinha



Foto: EBC


TV JORNAL


O gás de cozinha ficou mais barato para o comércio e as indústrias. A redução é de 3,4%, a quarta queda de preços seguida, acompanhando uma tendência do mercado internacional. No entanto, o gás vendido no botijão de 13 quilos, utilizado para cozinhar nas residências, ainda não sofre alteração no preço. A revisão do botijão menor é feita a cada três meses, enquanto o gás de uso comercial e industrial tem o preço revisado, em média, uma vez por mês.


GLP


É a primeira redução do GLP industrial neste ano e a terceira consecutiva. A primeira redução, de 9,2%, no dia 27 de novembro, foi a maior redução do ano passado. No dia 20 de dezembro, houve nova redução, de 4,7%.


De acordo com a Petrobras, a queda oscilará entre 3,3% e 3,6%, dependendo do polo de suprimento.


O Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Gás Liquefeito de Petróleo (Sindigás) informou, em nota, que suas empresas associadas foram comunicadas pela Petrobras, na tarde de hoje (10), sobre a queda no preço do GLP empresarial, destinado a embalagens acima de 13 quilos.



“Cálculos do Sindigás indicam que o valor do GLP empresarial, destinado aos setores do comércio e da indústria, ficará, mesmo depois da queda, 15% mais caro do que o gás residencial (comercializado em botijões de até 13 qilos). A entidade reforça que a falta de uma política de preços para o GLP empresarial faz persistir a diferença de preços entre o GLP residencial e o empresarial”, acrescenta a nota.


Política de Preços


De acordo com a Petrobras, a política de preços para o GLP de uso industrial e comercial vendido em suas refinarias às distribuidoras tem como base o preço de paridade de importação, formado pelas cotações internacionais desses produtos mais os custos que os importadores teriam como transporte e taxas portuárias.


Já o preço do gás residencial é menor que o do GLP para uso industrial e comercial, conforme resolução do Conselho Nacional de Política Energética, que considera de interesse para o setor a prática de preços inferiores para a comercialização do produto para uso residencial.


Postar um comentário